Vento Lateral – Rajadas de vento durante passeios e viagens de moto

Vento Lateral - Cuidado com rajadas de vento durante passeios e viagens de moto

 Vento Lateral - Cuidado com rajadas de vento durante passeios e viagens de moto

Se há um momento que me dá muito medo é quando uma rajada de vento atinge a moto lateralmente, empurrando-a para o lado.

Um dos pontos que eu detestava passar devido ao vento lateral muito forte é no Rodoanel Mario Covas próximo ao KM 13, entre a Rod. Castelo Branco e a Rod. Anhanguera, onde há um vale cortado pela estrada, passei esses dias por lá e vi que instalaram “paredes” em diversos pontos críticos para minimizar o problema, e confesso que nunca vi naqueles pontos qualquer sinalização, tipo a placa A-44 acima.

Viagem de moto - Cuidado com ventos laterais nas estradas

O vento lateral é percebido com mais frequência em pontes, principalmente nas extensas e altas e em pontos de estrada entre vales. É preciso ficar atento nos trechos com essas características: quanto menor e mais leve a moto pior é a sensação. Com garupa e bagagem melhora um pouco, porém precisa ter atenção porque muda o centro de gravidade da motocicleta.

Já li que o jeito é se acostumar, mas isso eu nunca consegui! Sempre me assusto quando sinto a moto quase desestabilizando: daí eu reduzo a velocidade e procuro andar com o giro mais alto, inclinando ligeiramente contra o vento para manter o curso, isso me dá uma sensação de segurança. O problema é quando o vento te pega de surpresa tirando a moto do curso, principalmente em uma curva. Já passei por isso em um acesso da Rodovia dos Bandeirantes, próximo a Jundiaí, sentido São Paulo: quando estava chegando à parte alta do acesso, já para entrar na rodovia, em curva e com a moto ainda ligeiramente inclinada, uma rajada quase arrastou a moto em direção à pista direita da rodovia.  Bom, consegui manter o curso brigando com o vento, foi só um susto. Agora fico mais atento à geografia que está à frente, principalmente em trechos descampados e pontes altas. Mas o “maldito” pode aparecer a qualquer momento e às vezes fica alternando a direção, o que é desesperador. Os ventos acontecem devido às diferenças de temperatura  de diversas regiões (aquecendo e resfriando o ar). Quando encontra áreas mais elevados (morros e montanhas) e vales, o vento tende a formar pequenas correntes de ar, aí é que mora o perigo. Também em áreas entre vales, onde o vento fica encanado.

Viagem de moto - Formação de ventos em encostas

O pior momento pelo qual passei foi há mais ou menos 1 ano atrás, no trecho sul do Rodoanel, em um final de tarde seguindo da Rodovia Raposo Tavares para a Rodovia Imigrantes, eu com minha XT 600e e a Helô com sua Mirage 250. Enfrentamos ventos fortes que pareciam querer tirar a moto de debaixo da gente, ventos que mudavam de direção rapidamente, com o agravante de ter muitos caminhões trafegando, ocupando as duas faixas da direita. Para piorar um pouco mais, alguns caminhoneiros trafegavam com aquelas “arvores de natal” acesas e farol alto, colando na minha traseira e fazendo aquele barulho de freio a ar, certamente na tentativa de nos intimidar. A Helô estava na minha frente. Neste trecho venta muito, tem muito caminhão o que torna quase impossível procurar uma faixa à direita para andar a uma velocidade mais baixa.  Achei este trecho muito perigoso e nunca mais passei por lá, principalmente porque não há segurança, sequer fiscalização e muito menos um lugar para se parar; soma-se a isso o fato de que alguns caminhoneiros sequer tem respeito pela própria vida, imaginem pela vida alheia.

Como reagir ao vento lateral?

  1. Primeiro deve-se reduzir a velocidade para um ponto que sinta segurança, quanto maior a velocidade menor o peso da motocicleta;
  2. Manter uma marcha com a qual o giro fique acima dos 50%, que permite uma resposta mais rápida no caso de ter que reduzir a velocidade apenas desacelerando;
  3. Utilizar a técnica de contra esterço para manter o curso: A técnica consiste em forçar o guidão LIGEIRA e RAPIDAMENTE para o lado contrário ao da incidência do vento. LIGEIRAMENTE porque é somente um pouquinho e RAPIDAMENTE, porque você deverá voltar o guidão à sua posição assim que conseguir inclinar e estabilizar a moto. Isso fará com que a moto tenda a inclinar contra o vento – você precisará sentir o ponto em que consegue manter a moto em seu curso normal. O quanto o guidão deve ser virado depende da velocidade do vento e da moto.
  4. Não ultrapassar veículos grandes como ônibus e caminhões sem que tenha ao menos 1 pista livre lateralmente entre o veiculo e a moto,  e que não haja uma curva acentuada a ser feita logo após a ultrapassagem. A força resultante da turbulência frontal do veiculo grande seguida pelo vento lateral pode deixar a moto incontrolável.
  5. Caso esteja chovendo, o cuidado deve ser muito maior porque a pista está escorregadia e, como a área de contato do pneu da moto com o solo é pequena, a moto pode deslizar mais facilmente.
  6. E, no caso de se sentir inseguro, procure um local para parar e esperar um momento melhor para prosseguir (o que nem sempre é possível).

Bom, #ficaadica!

Eu curto demais andar de moto e pretendo continuar fazendo isso por muito tempo ainda, por este motivo tomo cuidado dobrado!

Tome todas as precauções, mantenha a sua máquina sempre bem cuidada e não deixe de curtir as viagens.

Readers Comments (10)

  1. Hoje minha noiva e eu passamos por um inferno na terra! Voltando de São Vicente para Osasco via imigrantes/ Rodoanel, início chuva… Meu Deus! Minha noiva DESMAIOU nas minhas costas de tanto medo. Foi por segundos mas dei para sentir ela desabando sobre mim… Isso por conta das rajadas nos jogando de um lado para o outro na nossa moto estradeira… Decidimos nunca mais passar de moto por lá!

    Responder
    • Nossa, Danilo! Perigo duplo!!! Ventos e garupa desmaiada.
      Fico feliz que não tenha acontecido nada mais grave! Sábia decisão a sua… A gente também não passa mais por lá, salvo se estivermos acompanhando algum comboio grande (como na Grande Descida do Litoral, por exemplo). Seria impossível atravessar a cidade…

      Responder
  2. Estou com pé atrás quanto a estabilidade da Moto Com Bauleto de 100 a 120 Litros. Quanto a ventania deve piorar bastante acho, fora do comum 😐
    Será que vale o investimento, no caso uma capacidade assim de bauleto é arrumar dor de cabeça?? Pois este que me agradaria. Fico na espera de uma resposta. VLW

    Responder
  3. O pior trecho com vento lateral que já trafeguei, fica entre o Posto Rosário (BA), BR 020 até a cidade de Luis Eduardo Magalhães (BA) com a cidade de Roda Velha (BA) no meio do trecho, no mês de julho e agosto, no período da manhã, num trecho de 215 Km de extensão, é terrível.

    Responder
    • Horrível mesmo. Não conheço esse lugar, mas quando o vento lateral nos pega, a sensação é de que estão tirando o chão debaixo das rodas! É preciso muita cautela!!!
      Obrigada por sua colaboração!

      Responder
      • Boa tarde gente!
        estou há 4 dias andando de moto, uma Sahara, e hoje passei um puta SUSTO, imagine, um novato pegando uma rajada de vento no rodoanel, sobre a ponte de represa, foi horrível, fui tirado da faixa, sorte que não vinha carro, fui parar na faixa da esquerda, mas agora com essas dicas vou ficar esperto.
        Espero fazer muitas viagens ainda!

        Responder
  4. Passo por estas situações muitas vezes na Rodovia dos Imigrantes, pois moro em Santos e trabalho em São Paulo. Especialmente no horário da madrugada…em tempo fechado. É muito complicado….termino a viagem com braços e pernas doloridos. Hoje mesmo foi muito tenso, o pior dia…..mas, inconscientemente segui todas as dicas do colega. Abrs. Obrigado pelas mensagens.

    Responder
  5. Outra dica é evitar os horários mais quentes e com maior propensão ao começo da chuva. Os momentos que antecedem a chuva costumam ter bastante turbulência.

    Responder

Leave a comment

Your email address will not be published.


*